CJP-DF celebra o aniversário do Padre Júlio Lacellotti

O aniversário do padre Julio nos toca a todos e não só aos seus familiares, amigos e paroquianos. O seu ministério, sempre fraterno, o torna próximo de todos nós. Sentimos isso vivamente quando esteve em nossa atividade mensal “Conversa de Justiça e Paz”, em diálogo sobre sua ação pastoral de cuidado com a população de rua e os mais vulnerabilizados, mal assistidos pelas políticas sociais e invizibilizados pela indiferença social.

Ainda que incompreendido por alguns, que se fazem às vezes agressivos num indiscernimento sobre “os princípios da doutrina social da Igreja como base da cultura do cuidado”, conforme o enunciado da mensagem do Papa Francisco para a celebração do Dia Mundial da Paz 2021, que ocorrerá no próximo dia 1º de janeiro com o tema

“A cultura do cuidado como percurso de paz”, a vida pessoal e pastoral do padre Julio se confundem, nos animam e nos servem de exemplo, que por ser a expressão da “caridade operosa de tantas luminosas testemunhas da fé, tornou-se o coração pulsante da doutrina social da Igreja, proporcionando a todas as pessoas de boa vontade um precioso patrimônio de princípios, critérios e indicações,” que levam “a promoção da dignidade de toda a pessoa humana, a solidariedade com os pobres e indefesos, a solicitude pelo bem comum e a salvaguarda da criação”, se constituindo, lembra o Papa na sua mensagem,   “a cultura do cuidado, na vida dos seguidores de Jesus”.

Felizmente repercutem com mais intensidade as manifestações de reconhecimento, as muito mais tocantes, as anônimas, mas também as oficiais, conforme agora em 10 de dezembro (dia universal dos direitos humanos), com a outorga do 7º Prêmio Dom Paulo Evaristo Arns, da Prefeitura da cidade de São Paulo. Padre Julio recebeu um número recorde de indicações – 15.598 de um total de 16.643.

Ao Padre Julio, pelo seu aniversário, pelo seu projeto de vida e pelo seu projeto sacerdotal, auguramos os mesmos votos da mensagem de Natal do Papa Francisco no dia 25, na bênção Urbi et Orbi:
“Neste dia de festa, dirijo uma saudação particular a todas as pessoas que não se deixam subjugar pelas circunstâncias adversas, mas esforçam-se por levar esperança, consolação e ajuda, socorrendo quem sofre e acompanhando quem está sozinho.

Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Brasília

Você pode gostar também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *